Happy Hour

Jovem finge ser cliente para conseguir entrevista de emprego (e deu certo)
Comentários 24

Happy Hour

O dinamarquês August Laustsen inventou uma empresa na qual ele exerce todos os cargos de chefia

August Laustsen inventou uma empresa na qual ele exerce todos os cargos. Foto: Reprodução

Cansado de enviar currículos, mas não ter um retorno sequer, o dinamarquês August Laustsen, 26, teve uma ideia diferente para chamar a atenção de agências de publicidade e conseguir uma entrevista de emprego.

De acordo com o site “AdWeek”, o jovem diretor de arte, que vive em Estocolmo, na Suécia, resolveu fingir ser o que todas as empresas procuram: um cliente. Ele enviou um e-mail para várias agências da capital sueca dizendo ser diretor de marketing de uma empresa chamada Emerih e estar à procura dos serviços delas.

No entanto, no e-mail enviado às agências, August alertava quer era fundamental que o departamento de criação desse uma olhada em seu site antes de seguir adiante. É nessa hora que a mentira é revelada. Em seu site, o jovem explica por que fingiu ser um cliente.

“Eu sei que diretores criativos recebem uma tonelada de e-mails de jovens talentos, mas nem sempre têm tempo para responder. Então, para conseguir a atenção de vocês e a possibilidade de mostrar o meu portfólio, eu fingi ser alguém com quem todos vocês gostariam de falar: um novo cliente”, diz a página.

August também explica que o nome de sua empresa também é falso. Na verdade, Emerih é “hire me” (contrate-me, em inglês) escrito ao contrário.

Além disso, o site funciona como uma espécie de currículo do jovem. Traz, de maneira humorada, informações sobre sua formação, empresas nas quais trabalhou e alguns de seus pontos fortes e fracos, algo que os recrutadores quase sempre perguntam.

E se você acha que os possíveis chefes de August ficaram irritados ao descobrirem que foram enganados, está equivocado. O jovem garantiu ao “AdWeek” que o retorno foi bastante positivo. Em quatro dias, ele diz ter conseguido sete entrevistas de emprego. Em uma delas, ele foi contratado.


Zuckerberg tem 12 pessoas só para tirar críticas de seu perfil no Facebook
Comentários Comente

Happy Hour

Zuckerberg

Mark Zuckerberg, CEO do Facebook. Foto: Justin Sullivan/Getty Images/AFP

Você acha difícil gerenciar seu perfil no Facebook? Imagine Mark Zuckerberg, cofundador e diretor-executivo da rede social. Para ajudar nessa tarefa, ele conta com nada mais, nada menos que 12 funcionários, segundo informações da agência de notícias Bloomberg.

O trabalho dessa equipe se resume a apagar comentários negativos ou ofensivos postados no perfil de Zuckerberg.

Para escrever discursos e fazer postagens na rede social, o chefão do Facebook tem mais alguns funcionários.

Sem contar os fotógrafos profissionais, que o acompanham em eventos oficiais e retratam cenas de seu cotidiano, de uma corrida matinal a um beijo na filha. Essas imagens são imediatamente publicadas no perfil de Zuckerberg.

Bom moço

Tanta preocupação tem o objetivo de manter a imagem positiva do bilionário e de sua rede social.  Após o nascimento da filha, no final de 2015, Zuckerberg usou o Facebook para anunciar que, ao longo da vida, pretende doar 99% de sua fortuna para caridade. O patrimônio dele é atualmente avaliado em US$ 54,8 bilhões pela revista ''Forbes''.


Entrevista de emprego: se para você é um drama, para ele é motivo de piada
Comentários 8

Happy Hour

Procurar emprego não é uma tarefa fácil. Os candidatos enfrentam muitos problemas no caminho para conquistar a tão sonhada vaga.

Noites em claro disparando currículos, anúncios com requisitos difíceis de serem alcançados, processos com inúmeras etapas que se arrastam por semanas, perguntas desagradáveis na entrevista, longas dinâmicas de grupo com atividades que parecem não levar a nada e a expectativa por uma resposta do RH que nunca chega são algumas das experiências ruins enfrentadas.

Isso para descobrir, ao final, que a vaga ficou com o sobrinho do dono da empresa.

Esse tipo de infortúnio é inspiração para as piadas de Raphael Palazzo, paulistano de 21 anos que criou e administra a ''Entrevistamento'', página do Facebook que brinca com o martírio para arranjar um emprego.

Grande parte dos memes da página, que tem mais de 570 mil curtidas, é criada com fotos de bancos de imagens da internet, em que o jovem escreve legendas engraçadas, como diálogos esdrúxulos entre candidatos e entrevistadores.

Ideia após frustração

Ele diz que a maioria das ideias é sua, mas também posta sugestões de seguidores, eventualmente. ''As ideias surgem a partir das experiências com processos seletivos, e também de relatos ou de situações que ainda vejo no dia a dia.''

Raphael Palazzo criou a página "Entrevistamento"

Raphael Palazzo criou a página ''Entrevistamento''

Palazzo diz que criou primeiro o perfil no Twitter há cerca de dois anos, após ficar frustrado com a longa seleção para um estágio em marketing de uma multinacional de varejo. ''Entre uma delas (etapas), não entraram mais em contato. Soube posteriormente que tiveram de abrir a mesma vaga novamente, após menos de três meses de contratação'', conta.

Recém-formado em publicidade e procurando emprego, ele diz que já passou por algumas situações ruins em processos. ''Em uma delas, a luz acabou na região, e tive de prosseguir a apresentação da dinâmica com uma lanterna que carregava na mochila. Infelizmente, não viram 'possuir uma lanterna' como um diferencial'', brinca.

Dinâmicas de grupo são odiadas

As dinâmicas de grupo, inclusive, são a pior parte da busca por trabalho, para ele e grande parte de seus seguidores.

''Há um consenso na página de que as dinâmicas em grupo são as mais odiadas e, ao mesmo tempo, uma das etapas onde mais são relatadas situações desagradáveis''

Mesmo caçoando tanto do trabalho dos profissionais de RH, Palazzo diz que eles não costumam ficar magoados. ''Incrivelmente, tenho um feedback muito bacana deles! O 'Entrevistamento' não é uma militância, então eu entendo que, de fato, nem sempre o RH tem culpa e, muitas vezes, os profissionais da área sofrem com o excesso de responsabilidades.''

Além do Facebook e do Twitter, o “Entrevistamento” também tem página no Instagram e canal no Youtube.

Jogo rápido

O Blog Happy Hour fez um jogo rápido por e-mail com Palazzo para saber se ele está afiado depois de tanta experiência com o mundo das entrevistas de emprego.

Happy Hour: Você está desempregado?

Raphael Palazzo: Eu não diria desempregado, eu diria que estou exercendo uma atividade não-remunerada com foco em prospecção de empresas interessadas em efetivação e crescimento profissional de terceiros que sejam, na verdade, minha pessoa.

HH: Quantos currículos você já imprimiu na vida?

RP: Aproximadamente o mesmo número de estrelas no céu.

HH: Qual é o seu maior defeito?

RP: Perfeccionista… Brincadeira, hahahahaha.

HH: Se você fosse um animal, qual seria?

RP: Uma formiga, pois ela é excelente em trabalho em equipe. (Brincadeira, um bicho-preguiça mesmo).

HH: O que gosta de fazer nas horas livres?

RP: Cursos de Excel… Avançar no mercado… Enviar currículos…

HH: Você fez intercâmbio?

RP: Claro! Morei em Londres! Na região de… É… Éééé… Do centro…

HH: Tem pacote Adobe ou pacote Office?

RP: Ambos. Eles são almas gêmeas. *—*

HH: O que prefere: vale-refeição ou refeitório da firma?

RP: VR! Sem dúvida, VR! Não que seja ruim aquele refeitório pequeno e abafado, com 25 funcionários e só um microondas, onde alguém chega com uma lasanha congelada e todos têm de esperar 15 minutos para esquentar sua comida.

HH: A culpa é sempre do estagiário?

RP: E de quem mais seria?

HH: Você sabe qual é o segredo para conseguir um emprego? Poderia passar para a gente?

RP: Claro que sei! O segredo consiste em seis palavrinhas mágicas: ''Tio, tem vaga lá na empresa?''.

Leia mais:


Patrão vende empresa a funcionários por preço mais baixo para evitar cortes
Comentários Comente

Happy Hour

Éric Belile decidiu vender sua empresa a funcionários

Éric Belile decidiu vender sua empresa a funcionários

Um empresário francês, prestes a se aposentar, decidiu vender sua empresa aos  próprios funcionários por um preço mais baixo em vez de fechar negócio com um grande grupo, segundo reportagens publicadas pela imprensa francesa.

Se vendesse a empresa a um grande grupo poderia ganhar mais dinheiro, mas haveria muitas demissões, disse Éric Belile, 56, dono da empresa de equipamentos de impressão La Générale de Bureautique. A empresa tem três agências na França e 40 funcionários.

Ele disse que deixará de ganhar 4 milhões de euros (cerca de R$ 13,5 milhões) em sete anos em dividendos. ''Eu amo meus funcionários'', disse.

Ele fechou um acordo com cinco executivos da empresa, que pagarão uma pequena quantia agora. O pagamento total deve ser feito depois, com os lucros da empresa.

''Eu devo isso aos empregados. Para mim, é natural que a empresa continue com a equipe: nós construímos todo o projeto. Não é uma decisão altruísta, é uma justa recompensa'', afirmou à imprensa francesa.

Ele irá treinar a equipe que comandará o negócio nos próximos cinco anos.


Empresa alemã deixa funcionários tirarem quantos dias de férias quiserem
Comentários 11

Happy Hour

Ullrich Kastner é o fundador da start-up Myhotelshop.de

Ullrich Kastner é o fundador da start-up alemã Myhotelshop.de

Já pensou em tirar uns dias de férias a mais sem ter o salário descontado? Na Alemanha, uma start-up de marketing digital voltado para a indústria hoteleira permite que seus funcionários tirem quantos dias de férias quiserem –e sem ganhar menos por isso.

A Myhotelshop.de tem 37 funcionários. O presidente da empresa, Ullrich Kastner,  41 anos, disse ao jornal britânico ''Daily Mail'' que seus empregados não devem trabalhar de acordo com os regulamentos, mas trabalhar para um objetivo.

A permissão para tirar quantos dias de férias quiser será testada por um ano na empresa. Se der certo, poderá ser adotada definitivamente.

Kastner afirmou que sua maior surpresa com a nova política é que nenhum trabalho é deixado para trás. ''A equipe provou que pode assumir a responsabilidade. Isso é o mais importante para mim'', disse.

O empresário declarou, ainda, que os funcionários que tiraram mais dias de férias ficaram doentes com menos frequência que os demais colegas.

Os funcionários, por sua vez, aprovaram a iniciativa e passaram a chamar Kastner de ''melhor chefe do mundo''.


Barbearia de SP oferece corte grátis para quem tem entrevista de emprego
Comentários Comente

Happy Hour

Barbearia
Em meio à crise e com o desemprego em alta, uma barbearia paulistana decidiu ''dar uma força'' a homens com entrevista de emprego marcada, oferecendo cortes de cabelo e barba gratuitamente até 10 de dezembro.

A The Great Barber Shop anunciou a ajuda nas redes sociais. Quem tiver interesse deve agendar um horário em uma das duas unidades na capital paulista (Pinheiros e Vila Mascote). É preciso comprovar por e-mail que tem uma entrevista de emprego agendada.

A ideia da promoção surgiu em junho em uma conversa de bar, segundo Henrique Campos, um dos sócios da barbearia. Um amigo disse a ele que tinha uma entrevista naquela semana e que precisava cortar o cabelo para ir ''arrumadinho''. Campos ofereceu o corte gratuito em sua barbearia e pensou que poderia expandir a iniciativa.

''Achei que poderia ser uma ação legal, porque muita gente não tem grana para pagar um corte de R$ 60 em uma barbearia'', afirma. Além de ajudar, é uma forma de promover o negócio, diz ele.

A promoção está sujeita à disponibilidade de horários. Confira a postagem feita pela barbearia, com mais informações:


Empresa procura estagiário em engenharia que seja “mestre Pokémon”
Comentários Comente

Happy Hour

ash-ketchum-e-pikachu-em-pokemon-xyz-fas-criticaram-dublagem-do-anime-1463418992455_615x300

Uma empresa de São Paulo quer contratar um estagiário para a área de Business Intelligence (inteligência empresarial, em inglês). A vaga é voltada para engenheiros –até aí, nada fora do comum. O inusitado é que eles estão em busca de alguém que seja um ''mestre Pokémon''.

Pokémon é uma popular série de games e desenhos animados, na qual personagens precisam capturar monstrinhos (os Pokémon), que são colocados para lutar entre si. Mestres Pokémon são os especialistas nessa ''arte'' da captura.

A franquia ganhou destaque recentemente com o lançamento do Pokémon Go, um jogo de celular no qual os usuários precisam encontrar monstrinhos escondidos no mundo real. O jogo virou febre nos países em que já foi lançado, mas ainda não tem data para estreia no Brasil.

A vaga é para trabalhar no GetNinjas, um site em que profissionais podem oferecer vários tipos de serviços, como assistência técnica para eletrônicos, aulas de idiomas e acompanhamento de idosos.

Mas o que ser um ''meste Pokémon'' tem a ver com as funções do estágio?

Segundo a GetNinjas, gostar dos personagens e do jogo indica que o candidato tem o perfil ideal para trabalhar na empresa, uma startup cheia de ''geeks'' –jovens apaixonados por tecnologia e cultura pop.

Além disso, a realidade aumentada – recurso utilizado pelo jogo – pode ser muito importante para o negócio no futuro, diz o fundador do GetNinjas, Eduardo L’Hotelier.

A realidade aumentada é a interação entre o mundo real com a realidade virtual, geralmente por meio de uma tela – como a de um smartphone ou tablet, por exemplo.

Gostar de games não basta para conquistar a vaga. Na descrição de requisitos, a empresa cita outras habilidades necessárias, como análise de dados, criação de relatórios e acompanhamento de indicadores.

O valor da bolsa estágio não foi informado. A empresa diz que oferece benefícios como plano de saúde, vale-transporte e vale-refeição.

Para se candidatar e ver mais detalhes, entre no site: http://zip.net/bxtqXG (link encurtado e seguro).


Depilar as costas e levar avó ao médico; veja pedidos inusitados de chefes
Comentários 21

Happy Hour

Quem nunca reclamou do chefe? Alguns profissionais, porém, têm mais motivos para isso do que outros. Já imaginou se o seu chefe pede para levar a avó dele ao médico? Ou pior, para raspar os pelos de suas costas?

O site americano especializado em carreiras Careerbuilder fez um levantamento para analisar a avaliação que trabalhadores dos EUA fazem de seus chefes.

Segundo a pesquisa, mais de um em cada cinco entrevistados disse que já tinha recebido um pedido do chefe que não era relacionado ao seu trabalho.

Eles também apontaram algumas dessas tarefas. O Careerbuilder divulgou as mais incomuns, entre elas:

Raspar os pelos as costas do chefe 

rodrigao-toma-cuidado-para-tirar-todos-os-pelos-das-costas-de-mauricio-11311-1299880827351_615x300

Tirar um guaxinim morto da sua caminhonete

5nov2013---guaxinim-come-tangerina-no-zoologico-em-hof-alemanha-1383686369475_615x300

Terminar com a namorada (do chefe) por ele

pedro-tenta-terminar-seu-namoro-com-raquel-em-cena-que-vai-ao-ar-em-malhacao-em-84-1302290746044_615x300

Experimentar um biscoito de cachorro

cachorro

Levar o celular do chefe ao conserto depois que tinha caído no vaso sanitário

lancado-no-japao-primeiro-celular-que-pode-ser-lavado-com-agua-e-sabao-1449168051169_615x300

Levar a avó do chefe ao médico

idosa-idosos-velhice-maturidade-1356701322310_615x300

Alimentar os pássaros do jardim da casa do chefe

31mar2015---entre-as-aves-apreendidas-pelo-ibram-instituto-brasilia-ambiental-esta-o-passaro-bicudo-verdadeiro-1427836447467_615x300

Ainda bem que, de acordo com essa pesquisa, chefes ''sem noção'' são minoria, pelo menos nos EUA.

Ela apontou um grau considerável de satisfação dos funcionários, já que 62% classificaram o desempenho de seus superiores como ''A'' ou ''B''. Outros 22% deram uma nota ''C'', 10% classificaram como ''D'' e 6% ''reprovaram'' os chefes com a pior nota, um ''F''.

O levantamento também indicou que um chefe ruim pode levar, de fato, o funcionário a pedir demissão. Quase 2 em cada cinco entrevistados, ou 38%, disseram que já largaram um emprego por causa do superior.

A pesquisa foi realizada entre fevereiro e março deste ano, com 3.031 entrevistados que trabalham em empresas de diversos tamanhos e setores dos EUA.

Tags : emprego


Francês processa ex-empresa por ‘não fazer nada’ no trabalho
Comentários 102

Happy Hour

Frederic-Desnard-sues-job-for-Bordem

Desnard diz que foi “colocado na geladeira'' e transformado em “profissional zumbi''

Passar o expediente matando o tempo no escritório pode ser a definição de emprego ideal para alguns. Mas para o francês Fréderic Desnard, 44, ter um trabalho entediante, em que ele ''não fazia nada'', foi razão para processar a empresa.

Ele entrou com uma ação na justiça do trabalho da França nesta segunda-feira (2), pedindo indenização de 360 mil euros (cerca de R$ 1,46 milhão) por danos morais e direitos trabalhistas.

O francês ganhava mais de 80 mil euros (cerca de R$ 325 mil) por ano no cargo de diretor de serviços gerais da companhia de perfumes de luxo Interparfums, segundo a agência de notícias France-Presse.

A falta do que fazer começou em 2009 e piorou em 2012, segundo ele, quando a empresa perdeu um grande cliente e passou a demitir parte da equipe.

Desnard diz que foi ''colocado na geladeira'' e transformado em um ''profissional zumbi'' e alega que isso lhe causou sérios problemas emocionais e de saúde.

O caso deve ser julgado por um tribunal de Paris em 27 de julho.

'Garoto'

Em entrevista ao jornal francês ''Le Monde'', disse que trabalhava ''entre 20 e 40 minutos por dia''.

Apesar da posição de diretor, Desnard afirma que seus superiores o chamavam de ''garoto'' e não lhe davam nenhum trabalho. Pediam apenas que fizesse tarefas pessoais para eles, como buscar os filhos na escola.

Desnard diz que chegou a ser mandado para casa, com um aviso de que seria chamado caso o chefe precisasse, o que não teria acontecido.

Ele afirma que essa situação lhe causou ''extremo cansaço''. ''Eu não tinha mais energia para nada. Me sentia culpado e envergonhado de ganhar um salário sem fazer nada. Tinha a impressão de ser invisível na empresa'', disse ao jornal francês.

Mercado em crise

Para o advogado de Desnard, Montasser Charni, trata-se de uma forma de assédio moral, que teria acarretado problemas de saúde para o seu cliente.

''Ele teve depressão e sofreu um acidente de trânsito em decorrência de um ataque epiléptico'', disse. Após o acidente, Desnard ficou sete meses em licença médica e, em seguida, foi demitido, em setembro de 2014.

Segundo Charni, o funcionário não teve coragem de reclamar para a empresa porque o mercado de trabalho passava por uma crise.

Empresa nega acusações

A empresa nega as acusações. O advogado da companhia, Jean-Philippe Benissan, afirma que o ex-funcionário nunca enviou sequer um e-mail reclamando de sua situação, nem alertou a fiscalização dos direitos trabalhistas.

Benissan disse, ainda, que o médico da empresa sempre atestou Desnard como tendo boas condições de saúde.

A companhia questionou a ''estratégia'' do ex-funcionário, afirmando que ele anteriormente recorreu à justiça do trabalho alegando estar sobrecarregado.

(Com AFP)


Sem escritório fixo? Veja espaços de trabalho gratuitos em São Paulo
Comentários Comente

Happy Hour

As novas tecnologias flexibilizaram a rotina de trabalho. Não é mais necessário ficar preso a uma baia em um escritório tradicional para fazer suas tarefas diárias.

Se você é um free-lancer, está criando um negócio próprio, ou apenas quer fugir um pouco dos seus colegas de firma, a cidade de São Paulo oferece vários ambientes tranquilos, com estrutura e ótimos para estimular a criatividade. Mas o melhor de tudo é que são gratuitos. Veja alguns deles.

Biblioteca de São Paulo

IMG_8434

Localizada onde antes ficava a prisão do Carandiru, a Biblioteca de São Paulo  tem espaços tranquilos de estudo e áreas para convivência, além de wi-fi gratuito.

Endereço: Av. Cruzeiro do Sul, 2.630, Santana (ao lado da Estação Carandiru do Metrô)

Horário: de terça a sexta, das 9h às 21h. Sábados, domingos e feriados, das 9h às 19h.

Biblioteca Mário de Andrade

biblioteca-circulante-mario-de-andrade-1279672805181_615x300

Você é daqueles que são mais produtivos na madrugada? Uma opção pode ser a biblioteca Mário de Andrade. As salas que não têm livros, como  espaços de estudo e de convivência, funcionam 24 horas por dia. Também tem wi-fi gratuito.

Endereço: Rua da Consolação, 94, Centro

Horário: todos os dias, 24h (sala de estudos, sala de convivência, salas expositivas e terraço). Para ver o horário dos demais espaços, acesse a página http://zip.net/bss2c6 (endereço encurtado e seguro).

Centro Cultural São Paulo

centro cultural sp

Outro grande espaço com diversas áreas para trabalhar, bibliotecas e wi-fi gratuito. Além disso, o local apresenta espetáculos, exposições, cursos e oficinas, para ampliar os horizontes e estimular a criatividade.

Endereço: Rua Vergueiro 1.000, Paraíso

Horários: de terça a sexta, das 10h às 20h. Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h.

Coworking Spaces Fiap SU

coworking-paulista-fiap

São dois espaços organizados pela Fiap (Faculdade de Informática e Administração Paulista) em parceria com a entidade educativa Singularity University: na avenida Paulista e Vila Olímpia.

Eles oferecem estrutura com salas, wi-fi e cafeteria, e foram criados para estimular o  desenvolvimento de startups. É gratuito, mas precisa fazer o agendamento no site antes de ir: http://zip.net/bhs2c8.

Endereços: Avenida Paulista, 1.106 – 7° andar / Rua Olimpíadas, 186, Vila Olímpia

Horário: Segunda a sexta-feira, das 9 às 18 horas.

Sesc

5ad694c8-9035-4a02-81fb-3b997bd354de

Conhecido pelos eventos culturais e esportivos, o Sesc tem unidades que oferecem bons ambientes para quem gosta de trabalhar fora do escritório, além de bibliotecas, se o desejo é um canto mais tranquilo. Em alguns locias, há wi-fi gratuito, como Bom Retiro, Carmo, Consolação, Santana, Santo Amaro e Santo André.

Para ver os endereços e horários das unidades, acesse a página: http://zip.net/brs11P

Tags : emprego